quinta-feira, 29 de setembro de 2016

DIVULGA'SOM: Quartas de Peso - ESCATO & APHORISM


Falta muito tempo, mas já dá para ir se programando. No dia 2 de novembro a Escato (crust/anarcopunk) se apresenta ao lado do death da banda Aphorism, no Taverna Music Bar, no Rio Vermelho. A entrada é franca, mas com a possibilidade de contribuição voluntária.

PDM surpreende e anuncia 'duo' como novo formato


Wilson e André seguem os trabalhos da PDM (Foto: Divulgação/Joaquim Fauro)

O formato power trio dos punk rockers da Pastel de Miolos (PDM) caracterizou o grupo ao longo desses anos de existência. A banda, que chegou experimentar um quarto integrante, se consolidou mesmo com Alisson, Alex e Wilson fazendo shows e lançando diversos materiais dentro e fora do Brasil. Após Alex deixar as quatro cordas da PDM e se dedicar ao grupo Jato Invisível, André Felipe foi integrado e deu um novo gás para a banda que precisava se reinventar após anos de estrada. 

No início de setembro, a saída de Alisson (guitarra e voz) surpreendeu membros e seguidores da banda e, desde então, notícias sobre o futuro da PDM eram ansiosamente aguardadas. Nesta semana, a banda divulgou um texto nas redes sociais apontando o que será a Pastel de Miolos de agora em diante: um duo. Wilson (bateria) e André (baixo) darão seguimento aos trabalhos como uma dupla. Os fãs do novo formato do "punk rock como antigamente" da PDM poderão conferir a nova proposta no próximo dia 11 de outubro, no Dubliners Irish Pub, no Rio Vermelho - Salvador.  

terça-feira, 6 de setembro de 2016

Após 21 anos, banda Pastel de Miolos perde seu 'frontman'

Som da PDM no Dubliners Irish Pub, Salvador. (Foto: Reprodução/Joaquim Fauro)

O guitarrista e vocalista Alisson Lima não mais integra a banda de punk rock Pastel de Miolos. O anúncio foi feito pelo próprio músico na noite desta terça-feira (6), através de seu perfil no Facebook, após a banda emitir comunicado no último dia 2 (mais abaixo). Em sua justificativa, Alisson alega incompatibilidade com sons e letras após 21 anos de grupo. Salientando sair de forma amigável da PDM, ele diz ter novos planos musicais e assistirá, a partir de agora, "uma das melhores bandas de punk rock do Brasil do melhor lugar possível que é no meio do público!". Musicalmente, Alisson segue com a Macabéa, projeto criado há 11 anos inspirado em grupos como The Cure e The Smiths.

Leia o post na íntegra:

"Sobre minha saída da Pastel de Miolos...
Bem, o mais importante é que saí de maneira amigável, sem brigas ou discussões.
Foram 21 anos desde que comecei a banda com Wilson Ted Pastel De Miolos Punkrock e pouco tempo depois entrou Alex Costa de lá até hoje muita coisa aconteceu e mudou. Nós não imaginávamos onde poderíamos chegar e chegamos ao  outro lado do mundo! Houve um período em tivemos Robson tocando guitarra conosco e depois ele saiu, depois de mais um bom tempo Alex saiu também e chegou André Felipe Pdm que está até hoje e felizmente tenho todos como meus amigos e agradeço a eles por isso!
Uma das coisas mais importantes que aprendi com o punk rock foi que eu deveria ser sempre verdadeiro e jamais viver uma farsa pra agradar alguém, e eu sempre fui verdadeiro o tanto que pude com meus amigos da pdm e a galera que nos cercava, no entanto, no início de 2014, alguma coisa aconteceu e eu percebi que apesar das boas amizades e da diversão, algo faltava... e essa falta se fez mais presente até que eu percebi que estava vivendo uma farsa pois sentia que a pdm, os sons e as letras, não me diziam mais o que eu acreditava e eu continuava ali pela amizade e pelo conforto de estar numa banda que tem tanta estrada. Mas isso é comodismo! E não é contra isso que sempre discursei nas letras da banda? Acho que já deu pra entender...
Bem, eu não vou parar de tocar, estou me reinventando e logo mais volto aos palcos com outra proposta!!!! Estão todos convidados...
À Ted Pastel De Miolos Punkrock e os caras, e às pessoas que vierem somar pra compôr a banda eu desejo toda sorte do mundo!!! Agora vou assistir uma das melhores bandas de punk rock do Brasil do melhor lugar possível que é no meio do público!!!!!!
Um abraço a todos e paz!!!!!!!!!!"



 O trio: Alisson, Wilson e André. (Foto: Reprodução/Ghandi Guimarães)
 
"Punk rock como antigamente"

 
O anúncio da saída de Alisson foi feito pela banda no último dia 2. O nome de um novo membro ainda não foi divulgado. Leia:

"Comunicamos aos amigos, fãs e admiradores da Pastel De Miolos a saída do nosso guitarrista, cantor, compositor e amigo, Alisson Lima. Notícia triste, mas de certa forma já estávamos esperando, cedo ou tarde, isso iria acontecer. Temos a certeza de que Alisson Lima continuará seguindo seus ideais, seu coração e principalmente a sua busca pelo equilíbrio e felicidade. Alisson é um dos membros fundadores e ao longo desses 21 anos, ajudou a construir a identidade da PDM, elevando a banda a um patamar de extrema relevância dentro do cenário Punk Rock Hardcore Brasileiro, e é justamente por essa importância que nos foi dada, que a PDM seguirá, seguiremos fazendo o mesmo “punk rock como antigamente! Com a mesma honestidade e fúria. Nenhum show agendado será cancelado, cumpriremos nossa agenda normalmente. Agradecemos desde agora o apoio de todos e nos vemos na estrada! Wilson e André | Pastel De Miolos".


Tributo

Em 21 anos, a Pastel de Miolos se tornou uma das referências do estilo na Bahia. Formada em Lauro de Freitas, na Região Metropolitana de Salvador, acumula demo-tapes, CDs-demo, CDs, turnês pelo Brasil, América do Sul e Europa. Em 2013, a PDM foi homenageada no tributo "Eu não quero ser o que você quer", com músicas da banda sendo executadas por grupos do Brasil, Peru, Argentina e Portugal (ouça aqui). O quarto e mais recente álbum de estúdio foi lançado no ano passado, com o título "Novas Ideias, Velhos Ideais (NIVI)".

Mais sobre a Pastel de Miolos

terça-feira, 12 de abril de 2016

Sbórnia Social disponibiliza "Qual a Cor?" nas redes


O powertrio fastcore Sbórnia Social acaba de disponibilizar seu mais recente demonstrativo sonoro nas redes. Trata-se de "Qual a Cor?", registro rápido (11m34s) que apresenta um conjunto mais maduro e entrosado. O material foi disponibilizado no canal Grindcore Is Pure Love! A Sbórnia é: Rafael Medeiros (Guitarra e voz), Marília Melo (Baixo e voz) e Lenon Reis (Bateria e voz).

Sons:

 
1. Qual A Cor?
2. Mãe Natureza Cobrando Seu Espaço
3. Não Se Iluda/ Pare Pra Pensar
4. Enquanto Não E Com Você
5. Maquiavel
6. A Grande Potência
7. Raiva
8. Zefirina
9. Suas Mentiras



segunda-feira, 8 de fevereiro de 2016

IMPRESSÕES SOBRE: A voz da periferia em Salvador responde pelo nome de Igor Kannário




Em Salvador o som que melhor representa o sentimento da periferia atualmente não é o rap, nem o punk rock, estilos que sintetizam há anos o que o excluído social sente no cotidiano das grandes cidades. Vem de uma cara magro com cabelo loiro, no melhor estilo 'blondon' dos domingos na praia da Barra, sob a alcunha de Igor Kannário. A falta de papas na língua digna das polêmicas de um 'rock star old school' credenciou o cara como porta-voz da periferia soteropolitana. 

Depois de ser apontado por ter associação com o tráfico de drogas, o artista conhecido como Príncipe do Gueto realinhou sua carreira após ter a 'bênção' de artistas e políticos. Um ano após o upgrade na carreira, marcada anteriormente por prisões e bate-bocas com outros cantores e até apresentadores de TV, ele reformulou sua postura, mas não virou santo e não nega ser adepto de substâncias ilícitas (apesar de naturais).  

Com raiz no pagode baiano, a obra do artista segue a linha do que ele classifica como 'swingueira'. O diferencial? O diálogo com a favela. Igor Kannário se comunica como o povo, para o povo - como se houvesse um pré-contrato verbal. Em um show no bairro de Periperi, Subúrbio de Salvador, no domingo de Carnaval (7), o artista, em uma versão mais plantada, teve o público na mão tamanho o uso da passividade, diferente de outrora, quando em alguns momentos era acusado de incitar a violência. 

"A palavra de um homem é pior do que uma assinatura. Vocês vão me prometer que vão curtir o show sem violência", disse, antes de entoar "Depois de nós, é nós de novo", cantado como um mantra na Praça da Revolução. Atrás do palco, crianças vivenciavam o carnaval pulando e soltando bolas de sabão. O clima de civilidade não fugiu do controle nem com o refrão: "Eu não vou abaixar a cabeça pra ninguém. Se vier tem!", com as reações dos presentes observadas por guarnições da PM que estavam no local para garantir a ordem. 

No final, pra fechar com chave de ouro, Kannário puxou 'Desostenta', hit cult que ganhou notoriedade de um público diferente nas redes sociais pelo discurso contrário à tendência da ostentação. No dia seguinte, cerca de 500 mil pessoas foram atrás da pipoca do cantor. Em tempo de crise, falar de certas swingueiras é mais 'true' do que...[xá pra lá], além do quê, é mais coerente com o nome do blog.  

Confira abaixo 'Xeque mate', com letra de Edu Krieger, assim como 'Desostenta'.  



quinta-feira, 8 de outubro de 2015

Bosta Rala, o retorno


A sonoridade crua da banda baiana Bosta Rala está de volta. O grupo ganhou notoriedade na década de 90 pelo crossover noisecore nutrido por letras e atitudes anarquistas. Após participar da clássica coletânea Cenas Anarcopunks, a BR gravou a demo (K7) "Idiota". Em 1996, a banda teve duas baixas com as mortes (assassinatos) dos integrantes Dinho (baixo) e Morcego (voz), nas proximidades da Ladeira da Preguiça, em Salvador. 

O ocorrido provocou uma pausa que seria interrompida com a gravação do CD "Fragmentos de Utopia", dividido com as bandas Expurgado, Revolução Proletária e Terror para Ordem. Depois de fazer algumas apresentações, o grupo deu uma longa pausa,  porém, recentemente, surpreendeu os admiradores com um vídeo que mostra Tovar (guitarra), Morto (voz), Rato (bateria) e Tim (baixo) retornando aos ensaios. Confira, o retorno da Bosta Rala.



terça-feira, 6 de janeiro de 2015

DIVULGA'SOM: A Praça é Nossa!


A Praça é Nossa!

Som com as bandas:

ORELHA SECA - (D-Beat)
M.D.C - MENSAGEIROS DO CAOS - (Grindcore)
SPECTRO SUÍNO  - (Hardcore)
KALMIA - (Crust)

Domingo, 11 de janeiro.
A partir das 14h.

Praça General Labatut, em Pirajá.

sexta-feira, 26 de setembro de 2014

Ato Cinco & The Clash cover no Sindicato dos Bancários

O Espaço Cultural Raul Seixas, no Sindicato dos Bancários, apresenta neste sábado (27), a partir das 16h, uma festa punk com as bandas Ato Cinco e Combat Rock (The Clash cover).

A Ato Cinco é uma clássica banda de punk rock da cena soteropolitana, enquanto que a Combat Rock é formada por outras figuras carimbadas como David Roth (ex-Espírito de Porco, ex-Coveiros do Cover) na voz; Karl Franz Hummel (Camisa de Vênus, ex Persona Non Grata) na guitarra; Cadinho Almeida (Cascadura, The Poor Boys, ex-Camisa de Vênus) no baixo e voz; João Flores (ex 14ºAndar, ex-Coveiros do Cover) na bateria e André Ramos (ex Via Sacra, ex Persona Non Grata, The Poor Boys) na guitarra e voz. 




Serviço:


O que: Show de Punk Rock
Quem: Combat Rock (The Clash Cover) & Ato Cinco
Onde: Espaço Cultural Raul Seixas (Sindicato dos Bancários)
Quando: Dia 27.09 (Sábado) às 16h
Quanto: R$15

quinta-feira, 10 de julho de 2014

DIVULGA’SOM: Madá Rock Festival



Madá Rock Festival é nome do som marcado para acontecer no dia 19 de julho (sábado) no Calabetão, bairro nas proximidades da Estação Pirajá. Contando com bandas de diversos estilos, que vão do rock alternativo ao crossover, o evento dá continuidade ao histórico de sons alternativos que rolam naquela localidade. 
 

Rua Belarmino Barreto, 10 – Calabetão – Dia 19 de julho, a partir das 17h

segunda-feira, 30 de junho de 2014

DIVULGA'SOM: 15 Anos Estopim Records

15 ANOS DA ESTOPIM RECORDS

Com as bandas:


-LUMPEN
-ADCIONAL
-A SANGUE FRIO
-MAIS TRETA
-TRISTE FIM DE ROSILENE
-VERSUS2
-SEM ACORDO

Data: 02/08/2014
Local: Irish Pub- Rio Vermelho- Salvador-BA
Horário: 21h
Ingressos: R$15 - Disponíveis a partir do dia 03/07, na Loja Afreeka (Shop Colonial - Loja 15 - Barris - em frente a Biblioteca Central- 71 3018-1841).


quarta-feira, 14 de maio de 2014

DIVULGA'SOM: C.G.F.C. Arranca Canela

Tudo começou de forma bem despretensiosa com uns malucos de bandas insanas que resolveram jogar uma peladinha nas manhãs de domingo e depois tomar umas diante da orla de Salvador. Aproveitando o clima pré-Copa do Mundo que se instala neste país escroto e injusto, esse bonde do barulho resolveu promover nas quadras de esporte da Boca do Hell, o som "Crust Grind Futebol Clube Arranca Canela",  com as bandas Unkilled (Thrash/Crossover), Asco (Grind), Canelada HC (Hardcore/Crossover) e Orelha Seca (Punk/D-Beat).

DATA: 18 de maio (Domingo). O baba tem início às 9h, e o som começa a partir das 13h.
De grátis!

#COPAMINHAPIROCA

Hippies Not Dead & Garrafa Vazia (Split/2013)



                          

Esse split contando com as bandas Garrafa Vazia & Hippies Not Dead, ambas do interior de São Paulo, foi lançado no final do ano passado e por questão do habitual retardo mental desse escriba só agora recebe um post neste blog com teias de aranha. 
Pra não tirar o tesão de ouvir o som, posso adiantar que o Hippies Not Dead segue uma linha mais pesadona Death/Crust; enquanto que a Garrafa Vazia executa um punk rock dançante com umas letras bem humoradas meio no sense. Lembrando que as bandas são bem atuantes e estão sempre lançando materiais fortalecendo o movimento underground.

Hippies not Dead 
1- Conflito de Egos
2- Panos Quentes
3- Não sou exemplo
4- Nada é suficiente
5- Cirrose (Garrafa Vazia Cover)

Garrafa Vazia
6- Meio Marmitex
7- Toscão
8- Não atenda o celular 
9- Risólis Voador
10- V de Vitória 
11- Toca uma pra mim (Hippies not Dead Cover)


Contatos e mais informações:
 

quinta-feira, 26 de dezembro de 2013

Sem Acordo na 1ª Verdurada Salvador (2000)

Sem Acordo - I Verdurada Salvador

Lá pelo final dos anos 90, em uma edição do diário Telefanzine, o apresentador (Ednílson Sacramento) anuncia a criação de um selo em Salvador especializado em punk rock e hardcore. O selo era o Estopim, que mais tarde se tornaria loja de cd’s/camisetas e estúdio. A partir do selo, tocado por um jovem straight edge chamado Fabiano, o cenário punk da terra do axé sofreu várias transformações e foi inundado por uma diversidade sobrenatural de produções deste estilo. 

Na verdade, esta vasta história merece um capítulo em especial que em alguma oportunidade será contada como forma de registrar uma época frutífera que serviu como divisor de águas em relação ao que era feito antes e depois da cena straight edge nesta nefasta cidade.

Esta pequena introdução surgiu como forma de contextualizar esta postagem. Há pouco tempo, o não tão jovem Fabiano Passos resolveu revirar seu acervo pessoal e acabou encontrando ótimos registros daquela época. O primeiro da lista resultou em postagem para o YouTube em que mostra à apresentação da extinta banda SemAcordo (grupo que Fabiano integrou tocando guitarra – como registrado no vídeo), na I Verdurada local, em outubro de 2000, no antigo e efervescente Ex-Passo Cultural.

O registro mostra uma fase visceral do grupo que mais tarde se tornaria na nacionalmente conhecida Lumpen. Vi o vídeo um dia desses e achei que seria legal compartilhar aqui no FDP. A baixa qualidade do vídeo é por motivos óbvios: tempo de vida, fita, iluminação... etc. Mas creio que o que vale mesmo é registrar a apresentação de um dos grupos mais intensos que o espírito do hardcore baiano gerou. 
No evento: discursos certeiros, intervenções poéticas e música punk sem acordo com a hipocrisia social.

Sem Acordo no vídeo é: Robson Véio no vocal, Fabiano na guitarra, Rangel Blequimobiu no baixo e João Paulo na bateria.

sexta-feira, 22 de novembro de 2013

Documentário - Rock do Subúrbio

Inquietamente anárquico, o poeta, músico e agora documentarista, CR Mosca, brinda os que se interessam pela história da cultura alternativa da terra do dendê com mais uma produção independente e instigante. Nesse novo empreendimento, Mosca "despretensiosamente" apresenta o vídeo-documentário Rock do Subúrbio, a saga das bandas Revolta Suburbana, Quatro Elementos e AI-5, do bairro de São Caetano.


Rock do Subúrbio - Abertura


Rock do Subúrbio - Primeira parte



CONTINUA...

terça-feira, 6 de agosto de 2013

Malaco Véio – Revolucionando o cotidiano

A Malaco Véio é uma banda lá de Ribeira do Pombal, cerca de 300 km da capital baiana. O power-trio executa um punk rock/hardcore com fortes influências dos grupos dos anos 80. Considerada pioneira na cena rock da cidade, a Malaco Véio extermina o marasmo do interior do estado com a criatividade e a atitude punk.

Em 2002, lançaram um CD-Demo com 8 canções que externavam críticas político-sociais e os anseios humanísticos dos componentes. Já em 2008, foi registrada a apresentação na 5ª edição do Festival Eventual Rock, e em 2011, lançaram o CD “Ao Vivo no Punk Caverna”, registro de uma sessão de ensaio. Consta ainda no currículo da MV, a participação nas coletâneas virtuais “Saindo do Ócio” e “Incomodando”, ambas de 2010, e “Punkhardcorecrust”, de 2011.

Ao longo do tempo se apresentaram em vários festivais da região, destaque para o Boicote Rock (Serrinha), Feira Rock Festival (Feira de Santana), Zé Rock (Teofilândia), além do já citado Eventual Rock (Ribeira do Pombal). Além de tocar, os integrantes costumam organizar e produzir eventos na cidade como o Sexta HC e o Pombal Rock Express Festival.
Assim, a Malaco Véio vai “revolucionando o cotidiano com resistência e ousadia”, como definem sua trajetória.

Malaco Véio é: Ricardo (Vc/ Bx), Marco (Gt) e Juninho (Bt).


Contato: Facebook 



segunda-feira, 5 de agosto de 2013

IMPRESSÕES SOBRE: Incubadora Sonora em Periperi

FDP/Incubadora Sonora
Já faz um tempo que o blog não cobre eventos pelos picos das periferias de Soterópolis. Não por falta de vontade, mas os afazeres do cotidiano é que estão consumindo o andamento deste veículo de proletariado (Isso não é uma justificativa, acho).  
No domingo (28), resolvi dar um pulinho no vizinho bairro de Periperi, mas precisamente no restaurante Bonapettit, para acompanhar a edição local do projeto Incubadora Sonora. O projeto, financiado via edital, movimentou a cidade nos últimos meses com processo de escolha de bandas oriundas das periferias locais.
Assim, as apresentações, ocorridas no mês de julho, passaram por vários bairros mostrando o trabalho de grupos novos e outros já rodados. Exemplo disso foi o casting apresentado em Periperi: Irmão Carlos e O Catado, completando dez anos, e a banda local O Terreiro.

FDP/Irmão Carlos & O Catado
Os sons

Marcado para começar às 14h, o som foi rolar mesmo lá pelas 15h30, mas tudo bem, como uma das atrações previstas (Alexandra Pessoa) não se apresentou, perdoa-se. Os primeiros sinais sonoros da tarde foram do soul - mezzo rock - do Irmão Carlos e O Catado. Muito suingue com letras inteligentes que em alguns momentos remetiam ao ex-Titã, Arnaldo Antunes e o saudoso Itamar Assumpção – espero não ter viajado demais na livre associação. Som super bacana de uma banda que completa dez anos com muita competência. Destaque para as releituras de Sossego, de Tim Maia, e Um Lugar do Caralho, dos gaúchos da Júpiter Maçã, com a participação nos vocais de Rodrigo Chagas, dos Honkers.

FDP/O Terreiro
Após o show do Irmão, foi a vez de ser apresentado à musicalidade da banda O Terreiro. Massa o clima que tomou conta do espaço. Os rapazes são de casa e a galera tava jogando junto. O grupo faz uma mistureba sonora que vai do ijexá ao rock, passando pelo reggae e soul – mas o tom maior mesmo vinha da percussão fazendo forte referência aos terreiros de candomblé. Musicas dançantes e cantantes, tendo como adorno os vocais de fundo da plateia. Impossível não associar O Terreiro com os cariocas d’O Rappa. E essa impressão ficou maior quando tocaram Meu Mundo é o Barro, de Falcão & Cia. Mesmo assim, ainda achei a proposta neo ijexá interessante.

FDP/Público
O projeto Incubadora Sonora 2013 acabou no domingo (4), edição de aniversário do Irmão Carlos e O Catado, lá no Marback, onde costumam deixar  Faustão Falando Sozinho. E que assim seja por muito mais tempo.

domingo, 26 de maio de 2013

Sessão do Descarrego: ARQUIVO MORTO

A Arquivo Morto é uma banda de música ligeira lá da periferia de Paulista, Região Metropolitana de Recife, Pernambuco. O som é um hardcore rápido e tosco com influências que vão do Grind ao Crustcore com aquele jeitão Power-violence de ser, ou seja, coisas pra quem quer dormir na santa paz. A banda foi formada em 2001 e apesar de tentar incluir outros integrantes, consolidou-se como um power-trio. O grupo busca sonorizar os problemas do cotidiano periférico como forma de escapar de uma rotina que impulsiona ao marasmo, e consegue passar o sentimento de forma clara (e ruidosa) na demo ‘Falsa Democracia’, de 2007, orgulhosamente disponível nesta Sessão do Descarrego.

Arquivo Morto é: Guill (guitarra e vocais), Júlio (baixo) e Whent (bateria). 


Pra quem curte sonoridade rápida, direta, suja e agressiva...

sábado, 11 de maio de 2013

Sessão do Descarrego: Banda ALUGA-SE


O dia em que a terra parou num Woodstock suburbano

Esses dias estava lembrando da banda Aluga-se e do seu belíssimo serviço prestado para o rock'in roll local. Consultei meu caixote de discos e descobri que não tinha o registro da banda, mas com a ajuda do amigo Marcos ‘Túmulo’ consegui uma cópia. A bolacha contém as composições que embalaram shows históricos desta, que muitos acreditam ser a melhor em covers do ‘Maluco Beleza’. Quando digo shows históricos, me refiro às performáticas apresentações no Palco do Rock e dos inúmeros shows pelo interior do estado, gentilmente relatados pelos amigos e ex-integrantes da banda, Antônio (Pimpão) e Sinho (Cara de Pino).
Apesar do reconhecimento e da bagagem que a Aluga-se adquiriu com o passar dos anos, a apresentação mais marcante pra mim e para outros foi uma acontecida em, sei lá, acho que em 96 ou 97. Era um som armado na casa de Dejanilson (guitarra e vocal da banda), ainda em Paripe, num chuvoso sábado à noite. A chuva deu um toque de Woodstock suburbano e o som armado entre quintais, varais e lama rendeu momentos hilários com um ébrio (Tota, sempre ele) querendo roubar à cena. Sob a ameaça eminente de choques, por conta da combinação água e aparelhagem, o repertório foi composto por clássicos de Raul Seixas e as primeiras músicas autorais de Deja & Cia. Além de convidados e familiares, estavam presentes as bandas: Êxtase (tempos depois, Led faria parte da Aluga-se), Hímen Complacente e D'Fezes.

Infelizmente não consegui o título das canções. Mas, deixa de ser chato e...



sexta-feira, 10 de maio de 2013

DIVULGASOM: Crust Or Die apresenta Gig Punk

O coletivo Crust Or Die e o Denis Bar mais uma vez unem as forças para proporcionar momentos intensos do resistente movimento punk de Salvador e Simões Filho. A próxima gig punk no local reunirá as bandas: Rancor, Agnósia, Sbórnia Social, Orelha Seca e a veterana Neurastenia.
Formada no início dos anos 90, a Neurastenia é uma principais bandas vinculadas ao Movimento Anarco Punk (MAP) de Salvador. Hardcore oitentista com forte discurso político e social.
“Reagrupar amigos, simpatizantes do som e recolocar na ordem do dia a necessidade de se posicionar diante das relações sociais e as novas formas de dominação e desigualdades na conjuntura atual”, sintetizou o vocalista Grito sobre a intenção do encontro. A última apresentação da Neurastenia foi em 2010, no giro do grupo venezuelano Amordazados.


CRUST OR DIE apresenta GIG PUNK

Neurastenia
Rancor 
Orelha Seca
Sbórnia Social
Agnósia
__________________________________

Denis Bar - Pitanguinha - Simões Filho
01 de Junho de 2013 / 16h
R$: 6,00  

domingo, 28 de abril de 2013

Entrevista: George Porciuncula - Estúdio31


Fruto de um sonho antigo, o Estúdio31 é o mais novo espaço de apoio para bandas de todas as vertentes musicais do Subúrbio. Bati um papo com George, o realizador desse sonho, pra ele expressar o significado desse empreendimento feito com muito suor e amor à música.

Divulgação
  
Fanzine Digital Periférico - Quando surgiu a ideia de montar o estúdio? E o que te motivou?
George Porciuncula - Eu tinha vontade de fazer por gostar de música e por precisar às vezes de um estúdio e não conseguir. Há mais de 10 anos sentia vontade de fazer. Sempre achei interessante trabalhar com música, e há uns três anos vinha construindo e ainda não terminei tudo.

FDP - E o estúdio é em sua casa?
GP - Sim, é em cima da garagem daqui de casa.

FDP – Rolou um apoio ou foi na cara e na coragem?
GP – Olha, eu lutei pra fazer isso. Muitos profissionais me enrolaram e deixaram serviços maus feitos. Gastei uma grana danada, entrei num estresse e ainda tenho me chateado com alguns lances. Mas sem três amigos inseparáveis eu não terminaria isso. Nos conhecemos desde ‘pivetão’, e temos uma banda juntos (Tallowah). Não esperava que os caras fossem tão incríveis: Ivan (Busta Almeida), Meu irmão Jonathas (Jack Ufo) e Edmílson (Misso Cunha). Te juro, só terminei por causa deles.

Estúdio31 - Divulgação

FDP - Quais os estilos musicais que o estúdio pretende acolher?
GP - Existe uma dúvida, velho. Eu construí com a intenção de alugar para bandas de rock, metal, reggae, e outros estilos voltados para o underground. E estou ainda com essa intenção. Mas, tenho escutado vários conselhos e dicas de amigos que tem e tiveram estúdio...

FDP - Eles te aconselham a ceder o espaço para estilos variados pela questão do retorno financeiro?
GP – Sim. Quando você começa a construir a ideia é uma, você quer que só toque o som que você gosta. Mas para terminar é uma pendenga. Você termina e não tem como não se endividar.

FDP - E como está sendo a recepção das bandas? Já tá rolando uns ensaios?
GP - Poxa, as bandas que vieram amaram. Pois na verdade trabalhei com coisas de primeira. Quem fez o trabalho da acústica foi o Luiz Carlos Araújo, que trabalha com isso há mais de 20 anos. Ele fez estúdios famosos pra gente como Milton Nascimento, Saulo Fernandes, Psirico, rádios em São Paulo...

George por Lenon Reis

FDP – Vai ser possível fazer gravação também?
GP - Ainda não tenho como trabalhar com gravação. Mas a ideia é essa.

FDP - Quais as bandas que já estão ensaiando no 31?
GP - A Sbórnia Social (hardcore), Banda Palmares (reggae), Master of All (cover do Metallica) e uma de Paripe chamada Cogumelos Podres (punk rock). Também uns três rapazes fazendo Arrocha.

FDP - Planos para o futuro?
GP - Busta tá com uma ideia legal. Assim que o estúdio estiver todo perfeito faremos uma rádio online, onde as bandas vão ensaiar e transmitiremos ao vivo, ou faremos uma página no YouTube.


FDP - Pronto, pode vender seu peixe. Qual a localização do estúdio? E quais os valores? Contatos...
GP - O estúdio fica após o final de linha de Plataforma, depois da Rua Chile, atrás do bar do Jessé. Pergunta no bar onde fica a casa de Jorge Fotógrafo. Lá no número 31 - origem do nome do estúdio.
Valores: 1 hora é R$15, 2h é R$30 e 3h é R$40. 


Telefones para contato: (71) – 8747-2919 / 8351-7909 / 9348-4410 / 9913-6359


O blog deseja boa sorte e longa vida ao Estúdio31!

quarta-feira, 27 de fevereiro de 2013

SESSÃO DO DESCARREGO: Sem Acordo


SEM ACORDO
xX HARDCORE Xx

_________

A FOME
SONHOS CONCRETOS
QUILOMBO CECÍLIA
SOB OS CAMINHOS DA INCERTEZA
EU TE AMO
PALAVRAS
IDEAL
DIREITO DE MATAR
GLOBALIZANDO A MORTE
JÁ BASTA!